DESEMPENHO DA MARCOPOLO PARA SUPERAR CRISE DA ECONOMIA BRASILEIRA É DESTAQUE EM FINANÇAS

07/12/2017

Programas para redução de custos fixos e elevação da competitividade e produtividade
proporcionaram resultados expressivos
O desempenho alcançado pela Marcopolo nos últimos três anos, durante a mais rigorosa
crise econômica que atingiu severamente os setores automotivo e de transportes do País,
recebeu destaque na área brasileira de finanças e levou a empresa a conquistar o troféu
"O Equilibrista - Executivo de Finanças do Ano", entregue a José Antonio Valiati, CFO e
diretor de Relações com Investidores da Marcopolo.
De acordo com José Valiati, a empresa conseguiu manter a saúde financeira, os
investimentos e sua performance em razão da adoção de amplos programas para
redução de custos fixos e elevação da competitividade, produtividade e eficiência. "Se não
fossem as ações desenvolvidas desde antes do início da crise e a austeridade da gestão,
a companhia não teria superado os piores momentos da crise brasileira com os resultados
positivos alcançados", destaca.
Carteira de pedidos fechada até o final de janeiro
"Mesmo com o mercado brasileiro de ônibus registrando, desde o final de 2013, queda de
demanda de cerca de 65%, a Marcopolo conseguiu, por intermédio da intensificação de
sua presença internacional, manter o seu crescimento. Um indicador deste desempenho é
que a companhia está com a sua carteira de pedidos fechada até o final de janeiro de
2018 e, para atender toda essa demanda, não realizará férias coletivas, com a
manutenção das linhas de produção em plena atividade.
"Nos nove meses deste ano, a Marcopolo produziu, no Brasil, 5.916 unidades, contra
4.879 registradas no mesmo período de 2016 (alta de 21,3%). Em todo o mundo, a
companhia fabricou 7.480 unidades contra 6.114, em 2016, com aumento de 22,3%",
analisa José Antonio Valiati.
O troféu "O Equilibrista" é o reconhecimento mais importante da área brasileira de
finanças, concedido pelo IBEF-RS, Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Rio
Grande do Sul (IBEF-RS).
Crédito da imagem: Julio Soares